Local de trabalho
2017-05-09 20:30:43 +0000 2017-05-09 20:30:43 +0000
360

O meu gerente disse-me que me devia sentir à vontade para lhe dizer se quero deixar a empresa. Devo dizer-lhe?

Eu trabalho como engenheiro de software e já estou na minha empresa há quase 3 anos. Recentemente comecei a considerar outras oportunidades fora das minhas funções actuais. Não há nada de particularmente errado com a minha actual função, mas sinto (depois de estar na empresa há cerca de 2 anos) que o produto não me interessa como antes.

Recentemente muitas pessoas têm saído da minha empresa e acredito que é por razões semelhantes e/ou pelas suas próprias razões para saírem. A minha empresa tem passado por momentos difíceis nos últimos anos e houve um problema com a saída de pessoas da empresa, mas parece ter melhorado (não sei se é relevante, mas pode ajudar a explicar as coisas).

O tópico surgiu naturalmente no nosso 1-a-1 sobre a saída de pessoas e ele disse-me que eu deveria sentir-me à vontade para lhe dizer se quero sair e procurar outras oportunidades e que ele apoiaria qualquer decisão que eu tomasse. Uma parte de mim sente que lhe quero dizer que estou a entrevistar activamente mas, ao mesmo tempo, também não me quero colocar sob escrutínio se o puder ajudar.

É comum a gestão e os colaboradores estarem abertos sobre se estão à procura de um novo emprego ou não? Acho que para ser mais claro, se está próximo do seu gestor, é melhor ser aberto sobre o tema? Para ser claro, sinto que tenho relações decentes com o meu actual gestor (nada mal, mas há alturas em que discordei abertamente dele em relação às coisas). Faço esta pergunta porque dado o número de pessoas que saem, pergunto-me se ele simplesmente me diz isto para poder descobrir se as pessoas estão a sair da sua equipa e se seria profissional ou do meu interesse informá-lo.

EDIT: Para esclarecer uma pergunta comum que as pessoas têm feito, qual é o benefício que prevejo obter ao dizer-lhe? Não tenho a certeza se o meu processo de pensamento foi ingénuo, mas pensei que se o meu actual chefe me apoiasse ele poderia potencialmente dar-me uma recomendação, por mais embaraçoso que isso possa ser, uma vez que ele tem uma forte compreensão do que faço. Já pedi a gestores anteriores que me dessem recomendações, mas esses eram empregos durante a escola e as expectativas eram claras de que o emprego era apenas temporário. Espero que isso ajude a esclarecer as coisas.

Respostas [16]

451
2017-05-10 01:38:59 +0000

Em primeiro lugar, existem, de facto, gestores que não o despedirão só porque pensam que poderá querer deixar a empresa, e que também não o reterão ou o maltratarão de outra forma. Eu, por exemplo, sou um desses gestores. Quando tinha pessoas que cresciam mais depressa do que eu podia ajudar, não as censurei por quererem algo que eu não lhes podia dar. Digamos que estás pronto para ser um líder de equipa, mas eu não tenho uma equipa sem líderes para te colocar debaixo de ti. Não vou contratar mais pessoas para te arranjar essa equipa; não tenho dinheiro para isso. Mas não vou invejar que queiras ter essa oportunidade. Ofereci-me para fazer referência a alguém que se candidatou a uma posição que eu achei óptima e que me falou disso com antecedência. Também recomendei um ex-funcionário (que se demitiu) para uma função num cliente, anos mais tarde.

MAS - Sou indistinguível de um gestor que faria esta afirmação, mas na verdade está a mentir. Por isso recomendo-lhe que responda à pergunta de forma um pouco diferente da que foi feita. Alguns exemplos:

Embora não esteja à procura de um novo emprego, estou à procura de algumas novas oportunidades neste emprego. Gostaria muito [de começar a liderar projectos, fazer mais arquitectura, estar de prevenção menos vezes, ter horários mais flexíveis, o que quer que seja]

Bem, se alguém me contactasse do nada neste momento com uma grande oferta, eu poderia ser um pouco mais vulnerável a ela do que seria há um ano atrás. Ainda bem que estamos a falar sobre isto; talvez haja algumas mudanças que possamos fazer aqui e que possam colocar o meu nível de conforto de volta onde estava.

Não fale sobre o que pode fazer ou porque pode sair. Fale sobre o que você quer num emprego. Este gerente pode ser capaz de lhe dar isso. Ou ser capaz de te olhar nos olhos e dizer "nunca vamos ser capazes de te dar isso" - e tu sabes o que isso significa. Talvez haja algum lado positivo em dizer o que você quer. Não há absolutamente nenhum lado positivo em dizer que se vai embora se não o puder ter, ou que já está a olhar para outro lado. Mesmo que me tenha a mim como chefe.


Mas eu não disse que me pode dizer? Se vieres ter comigo e disseres "acho que estou pronto para X" e não te posso oferecer isso, e mais tarde me disseres que estás a candidatar-te a ser um X noutro lugar, isso não é o mesmo que "se não me deres X, vou-me embora". Não dê ultimatos a ninguém.


Mas, e isto é chave* , você precisa de precisão. Não é um vago desconforto ou desejo de algo mais novo, mais divertido, mais interessante. Que tarefas quer parar ou começar a fazer? Queres estar num projecto diferente? Ter mais responsabilidades? Para aprender uma língua ou plataforma ou enquadramento diferente? Para participar em mais conferências, fazer mais cursos, interagir mais com os clientes? O seu gestor já iniciou esta conversa, mas se a sua única contribuição vai ser "bem, não é porque estou um pouco farto e aborrecido" então os seus desejos não podem ser atendidos. E nessa circunstância, confirmar que você pode ter um pé fora da porta pode ter-lhe custado muito caro - sem qualquer benefício. Só vale a pena ter esta conversa se houver um possível benefício. Isso só pode vir de saber o que se quer e não o que não se quer mais.

451
150
2017-05-09 20:38:50 +0000

Nos termos mais fortes possíveis, NO!

A gestão é NÃO o seu amigo e ter relações "decentes" com o seu gestor não o torna assim.

Não ganha nada ao revelar as suas intenções e tem o seu trabalho a perder se o fizer. Não minta, mas não revele a sua mão.

Diga "obrigado" e "não estou a pensar em partir". Claro que não estará a pensar em partir até ter uma oferta em mãos. Embora isto possa ser uma aproximação amigável, podem também ser eles a perguntar se devem ir procurar o seu substituto.

A má notícia para si é que assim que encontrarem o seu substituto, não hesitarão em ver-se livres de alguém que lhes tenha dito que não quer estar lá.

150
78
2017-05-10 06:32:38 +0000

Pela minha experiência pessoal, defendo ** SIM**.

Sou um programador de software sénior com 13 anos de experiência. Sempre disse aos meus empregadores quando comecei a procurar um novo emprego, como uma questão de princípio pessoal.

Os benefícios para o seu empregador incluem:

  • Ter tempo para começar a procurar um substituto.
  • Começar os processos de entrega cedo.
  • O entendimento de que as tarefas a longo prazo provavelmente não devem ser atribuídas.

Os benefícios pessoais incluem:

  • Conduzir-me com integridade de acordo com os meus princípios pessoais de honestidade e abertura.
  • Parto em condições realmente boas.
  • Posso estar aberto a receber chamadas e a tirar férias para entrevistas.
  • Deixo o projecto em bom estado.

  • Não discordo que a resposta segura não seja dizer ao seu empregador, mas nem sempre é ético ou profissional fazer o que é seguro. Os engenheiros têm códigos de ética e conduta profissional, e podem perder as suas licenças de engenharia por quebrar esses códigos, em vez de apenas o seu trabalho se o seu empregador lhes pedir para fazer algo pouco ético. Os programadores geralmente não têm tais códigos profissionais (para além dos ACM's), mas isso não significa que não se deva manter a um nível mais elevado. ( NOTE: Como KRyan observou, não há nada no ACM ou outros códigos de engenharia que obrigue a dar um aviso extra, mas eu pessoalmente considero profissional a abertura sobre as minhas intenções aos meus empregadores)

Também recomendo contra a utilização disto como táctica de negociação. Solicito aumentos nas minhas revisões. Se o meu empregador achar que não vale a pena pagar mais, começo simplesmente a procurar outras oportunidades, e não as tenho contra. É sua responsabilidade cuidar do desenvolvimento da sua carreira e remuneração, não da sua entidade patronal.

Uma entidade patronal geralmente não lhe dará aviso prévio antes de a despedir, e você não deve esperar que o faça. Não acho que isso deva mudar o meu comportamento. Não é uma relação pessoal, por isso não espero qualquer lealdade, e não o faço por lealdade. Faço-o porque é profissional.

*Nota que os empregadores de alguns países (como a África do Sul) são obrigados por lei a colocá-lo num processo de melhoria de desempenho primeiro se o despedirem por desempenho, e pelo menos duas empresas em que estive falaram abertamente da necessidade de reduzir o pessoal antes de iniciar qualquer processo de redução de pessoal. Estas coisas são culturais, e não espero que isto seja verdade em todo o lado.

EDIT: Como Sebastian salientou , ele obteve grandes referências, entrou em entrevistas porque colegas anteriores o recomendaram, e até foi convidado uma ou duas vezes para trabalhar em novos lugares por ex-chefes. Penso que estes são benefícios significativos. Também gosto da sua ideia de conseguir um acordo por escrito se estiver a pensar numa procura de emprego a longo prazo.

78
40
2017-05-09 20:51:22 +0000

Uma grande NOOOOOOOOO! seria a resposta oficial.

Acabei de criar uma conta para responder a essa pergunta, porque sinto que precisam de saber como é que a administração reage neste tipo de situações.

Uma vez identificado um funcionário como "de risco", entrevistarão candidatos para o substituir (ou ela).

A forma correcta de lidar com isto seria anunciar a sua licença APÓS ter encontrado outra coisa.

Pense desta forma: será que o seu empregador lhe diria "Estamos a procurar activamente substituí-lo porque já não satisfaz as nossas necessidades". ? Não me parece. Eles preferem informar-te que encontraram outra pessoa, entregar-te um cheque com 2 semanas de antecedência e pedir-te educadamente que saias com a tua caixa de coisas pessoais.

É assim que se joga o jogo. Eu estive na sua posição e decidi dizer ao meu empregador, pensando que ele me daria um aumento ou modificaria o meu contrato de trabalho para se adaptar às minhas necessidades em mudança... oh rapaz, eu era jovem e ingénuo. Ele encontrou alguém antes de eu ter tempo de arranjar outro emprego. Não me deu um aviso ou um aviso... "Obrigado pelo seu tempo, e desejamos-lhe boa sorte nos seus projectos futuros".

Só se for muito próximo do seu patrão, como um primo ou um irmão, talvez possa arriscar falar sobre esse tipo de coisas... mas caso contrário, mantenha as suas interacções profissionais e as suas intenções (e emoções) para si mesmo.

40
24
2017-05-10 00:44:57 +0000

A resposta é não. Deve ser justo, quando o seu gerente o quiser despedir, ninguém lhe dirá:

Estamos a tentar despedi-lo. Por favor esteja preparado.

Então porque deve avisar a empresa? Nunca vai funcionar bem, e você não ganha absolutamente nada ao falar sobre a sua intenção.

24
19
2017-05-09 21:06:17 +0000

Penso que a resposta seguro* é não como outros disseram, mas cada um tem a sua própria orientação de vida.

Dependendo da sua relação com o seu chefe, da cultura da empresa, da rapidez com que quer sair, como é o mercado para o seu emprego e como é o seu financiamento se o despedirem imediatamente. E tenha a certeza de que quer realmente sair da empresa porque não há regresso, não há possibilidade de conseguir uma promoção, etc.

Muitas vezes, o empregador não tem qualquer ganho em despedi-lo no local. Ouvi falar de pessoas despedidas no local por razões de segurança e seja lá o que for, para que isso possa acontecer. Pessoalmente, não compreendo a lógica por detrás disto porque já é um funcionário com formação e qualificação. Quanto mais tempo passar com o seu empregador, mais eles ganham. Dependendo do tempo que quiser sair, o seu patrão pode gerir o seu projecto em consequência, como se lhe atribuísse histórias que exigiam mais formação e manter as coisas fáceis para a sua substituição.

A minha relação com dois dos meus chefes tornou-se pessoal após 3-4 anos de trabalho. Eu disse-lhes antecipadamente que queria sair, concordámos em algo como:

  • Eu espero que eles encontrem um novo candidato
  • Nós treinamos o novo tipo e validamos que ele pode fazer o trabalho
  • O empregador dá-me o tempo que eu preciso para encontrar um emprego que eu goste

A primeira vez, eu saí após 3 meses e demorou 8 meses da segunda vez.

Eu tenho uma grande referência, fiquei surpreendido com a quantidade de vezes que alguém que vai fazer parte de uma entrevista conhece alguém com quem eu trabalhei no passado. E, por vezes, tenho uma chamada de um patrão anterior a oferecer-me um emprego no seu novo local de trabalho.

Se decidir falar com o seu patrão, ** Recomendo-lhe que chegue a acordo sobre algo no papel** com prazo máximo, como o empregador tem 12 meses para encontrar alguém, você tem 12 meses para encontrar um novo emprego, etc. Atravessei o caminho de alguns tipos que negociaram a sua saída através de um aumento salarial como +25% do tempo em que não mudam de emprego. Então não é comum, mas pode ser feito com benefícios mútuos.

Em conclusão, qual é a vibração com o seu chefe? Como é que se sente? Está preparado para o pior caso? Qual é o estado do seu projecto? Há alguma apresentação de um grande cliente empregador em breve?

Boa sorte!

19
13
2017-05-10 08:05:16 +0000

Se

  • está seguro da sua empregabilidade, isto é, se for despedido não é nada de mais, e
  • se quiser manter contacto pessoal com o patrão depois de sair, e
  • quiser dar uma impressão de confiança, e
  • se sentir à vontade para discutir as suas razões (porque isso surgirá), e
  • se quiser voltar à empresa mais tarde,

então acho que sim , vale a pena correr o risco de o dizer.

Mas perceba que é um risco. Pode fazer com que sejas despedido mais cedo do que queres, pode fazer com que o patrão te odeie, pode tornar doloroso o tempo restante no emprego actual.

Se estás disposto a correr esses riscos, então vai em frente. É claro que não revele tudo, especialmente que eu manteria a próxima empresa em segredo até ter o meu nome no jornal deles com data marcada. Manter este segredo elimina o pequeno mas real risco de o seu chefe actual lhes ligar e contar coisas más sobre si.

13
4
2017-05-10 15:59:05 +0000

Pela minha (reconhecidamente limitada) experiência pessoal, não se deve sentir obrigado a contar ao seu patrão.

Tive uma óptima relação profissional e pessoal com o meu anterior manager, mas não me apetecia correr riscos com o presidente da empresa em que me encontrava. Embora eu soubesse que podia confiar absolutamente no meu manager, também sabia que ele não podia guardar isto só para si, e que teria de o denunciar. Por isso, escondi-o dele até ter de lhe entregar a minha carta de demissão.

Foi um choque para ele, mas ele compreendeu, e mantivemos um contacto próximo mesmo depois de eu me mudar. Este Verão vamos mesmo a um concerto juntos.

Embora esta não seja uma resposta adequada à pergunta "devo dizer ao meu empresário que estou a pensar em demitir-me", sinto que ela aborda o aspecto social da pergunta.

4
3
2017-05-10 09:08:30 +0000

O contexto é importante.

Recentemente muitas pessoas têm saído da minha empresa e creio que é por razões semelhantes e/ou pelas suas próprias razões de saída.

Isso parece que o gerente está realmente ansioso por perder mais um funcionário (esperemos que competente). Como as outras respostas já sugerem, as suas motivações podem ser qualquer coisa entre dois extremos:

  • Eles querem estar preparados a tempo de substituir mais uma perda (e assim que a encontrarem, o seu "considerar sair" torna-se "ser libertado")
  • Eles querem _evitá-lo (e talvez também a outros) a sair, e assim precisam de compreender porque é que muitos saíram recentemente, talvez sem dar um feedback útil.

Em qualquer dos casos pode começar com algo do tipo "Acho que se está a perguntar porque é que muitos outros saíram recentemente? Não conheço as suas motivações, mas para ser honesto, há coisas que podem ser melhoradas"

Sinto que o produto não me interessa como antes.

O gestor pode não ser capaz de perceber isto, de si ou de qualquer outra pessoa. Pode haver uma forma mais construtiva de colocar isto (como em, talvez o produto precise de ser melhorado, uma vez que a falta de interesse dos criadores pode estar relacionada com a falta de interesse dos clientes), ou pelo menos mais detalhes. Se o dizes assim, sim, mais vale dizeres "Sim, eu am a considerar sair, e não há muito que possas fazer quanto a isso". Certifique-se apenas de que não faz com que pareça chantagem!

A questão é, é possível fazer alguma coisa em relação a isto? Se eles estão a tentar melhorar toda a situação de muitos empregados que saem, esta pode tornar-se uma discussão muito produtiva que resulta no seu trabalho transformar-se em algo agradável de novo. Se eles apenas querem avaliar se você também precisa ser substituído em breve, bem, você did já começa a considerar outras oportunidades.

O importante é, ter uma discussão construtiva sobre isso, e não um simples "Sim, eu sou" que deixa o gerente com as suas próprias conclusões (provavelmente prejudiciais).

3
1
2017-05-12 20:39:22 +0000

O correcto é não responder à pergunta.

Desta forma o seu empregador está preocupado com a sua saída, mas não sabe quando ou se vai começar a procurar. Então responde assim :

Porquê procurar noutro lugar? (retórica) Está preocupado com isso? Sabe que pode tornar-me mais difícil encontrar um novo emprego, aumentando as minhas exigências salariais. (Grande sorriso)

1
1
2017-05-10 10:28:59 +0000

Outras respostas trazem já muitos pontos relevantes e importantes. Contudo, não creio que esta pergunta tenha uma resposta universal que seja correcta para qualquer situação. A pergunta mais importante aqui é quem tem a vantagem?

Referiu que é engenheiro de software; por experiência pessoal, bem como por conhecimento geral, vejo que os engenheiros de software, acima de um determinado nível de competências, estão numa situação em que o empregado é mais valioso para o empregador do que vice-versa*. Por outras palavras, se eu desistisse agora mesmo (por qualquer razão), encontraria um novo emprego muito mais facilmente e mais cedo do que seria necessário para a minha empresa encontrar um substituto.

Portanto (dado que este pressuposto está correcto sobre a sua situação), a ameaça de deixar a empresa (voluntariamente ou ser despedido) ** não é uma ameaça para si, mas uma ameaça para a empresa** - e mais importante ainda, para o próprio gestor. Portanto, admitindo que se trata, de facto, de uma possibilidade de distorção da negociação ** a seu favor. E uma vez que há coisas com que está descontente e que gostaria de *re-negociar , revelar esta informação ao seu gestor parece ser a atitude correcta.

1
1
2017-05-13 11:33:49 +0000

Concordo com os que aconselham a não revelar a sua mão. E eu escrevo como gerente. Mas aqui está uma pequena perspectiva extra.

Os gestores também são humanos, tal como você. Os seus eus melhores e lógicos podem querer e aspirar a ser imparciais e abertos. Mas eles ainda têm uma parte emocional, menos lógica do seu cérebro (o sistema límbico e o tronco cerebral) que é mais susceptível às fraquezas e aos preconceitos humanos. E é essa parte menos lógica que pode facilmente surgir na vida e assumir o controlo quando estão sob qualquer tipo de stress (digamos, por pressão do seu próprio chefe, cansaço ou mesmo problemas em casa).

Agora pode muito bem ser que as intenções do seu chefe sejam verdadeiras e justas quando ele lhe diz que não sofrerá quaisquer repercussões se estiver aberto a querer partir. Mas esse é o seu eu melhor, aspiracional. Abra-se e vai plantar uma semente de dúvida que germinará e começará a crescer. No fundo, nos seus momentos menos lógicos, ele pode começar a pensar em si como desleal ou dispensável - mesmo que o faça subconscientemente.

Tais julgamentos podem ser relativos, feitos apenas em comparação com outros empregados. Mas quando ele precisa de deixar alguém ir, eles vão contar contra si da mesma forma.

1
1
2019-07-11 23:20:11 +0000

Sei que esta pergunta é antiga e que já foram dadas muitas respostas excelentes. No entanto, como OP, quero publicar a minha experiência com isto, uma vez que tenho a experiência para a apoiar e pensei que seria relevante e poderia surpreender algumas pessoas.

Apenas uma actualização da FYI, mudei de emprego desde então. Segui o conselho e não contei ao meu gerente. As coisas subiram e desceram e tive um par de gerentes desde que esta pergunta foi feita. Meu líder técnico na época foi promovido a gerente e outra pessoa da equipe foi escolhida como líder técnico. O meu novo treinador e eu éramos muito próximos, mas ainda não lhe disse que estava a pensar em sair.

Penso que os conselhos que recebi nas respostas chegaram a casa - falei sobre o que procurava com ele, mas fui honesto comigo mesmo se sentia que podia encontrar essas coisas na minha empresa actual, independentemente de o meu treinador achar que eu podia encontrar essas coisas. Algumas das coisas que realmente me fizeram perceber que eu queria sair era que eu não estava a aprender nada de novo. Muitas das coisas que eu queria aprender (novas tecnologias, etc.) estavam a demorar tanto tempo a mudar para lá e eu estimo que levaria alguns anos até lá estarmos. Também a perspectiva da empresa não era muito boa. Apesar de não ter deixado que isso me afectasse, foi definitivamente algo em que fui consciencioso durante muito tempo. Pensei em todos os problemas que vi que a empresa tinha há X anos e pensei quantos deles foram identificados como problemas e se algum deles foi resolvido. Muitos desses problemas ainda existem.

Eu consegui o melhor de todas as coisas - esforcei-me muito para estudar sozinho depois do trabalho e fui lento mas inteligente nas entrevistas, mas ainda assim trabalhei arduamente nos meus objectivos dentro da empresa e, inevitavelmente, subi. Um objectivo da minha carreira era tornar-me um líder tecnológico e, quando estava de saída, atingi esse objectivo (foi-me oferecido o lugar de líder tecnológico logo a seguir à saída do outro líder tecnológico), o que cronometrou bastante bem e pode até ter-me ajudado a conseguir o meu novo emprego (ouvir que eu era agora um líder tecnológico levantou definitivamente algumas sobrancelhas).

Quando dei o meu aviso, foi difícil e ele foi honesto comigo. Ele estava chateado mas estava feliz por mim. Ele disse-me que o outro líder técnico era honesto com ele sobre olhar em volta e durante as suas entrevistas de 1 contra 1, ele dava-lhe perguntas de teste que eram drenantes (também explicou por vezes porque é que ele estava ausente e o meu manager não disse nada). Parte de mim desejava ter-lhe dito mais cedo (poderia ter facilitado algumas coisas) mas outra parte de mim ainda está contente por não o ter feito. Se lhe tivesse dito, não sei se teria conseguido os meus aumentos ou as minhas promoções e também estou feliz por ter passado aqueles 1-a-1s focados no crescimento da minha carreira, porque sinto que muitas dessas discussões vão continuar para o meu novo emprego.

Na minha nova empresa, eles mencionaram algo semelhante - os gestores apoiam a sua carreira e o líder do workshop mencionou que tinha alguém que estava à procura de sair, por isso disse que depois de não encontrar algo na empresa, iria entrevistá-los durante os 1-on-1s e dar referências fortes se alguma vez precisassem.

Curiosamente na minha nova equipa no meu novo emprego, o meu gestor disse-me que suspeita que alguém da equipa está à procura de um novo emprego e que queria que eu pegasse em alguns dos projectos em que está a trabalhar. Posso dizer que ele tem algum ressentimento em relação a eles. Não tenho a certeza se ele lhe disse honestamente que estava à procura se isso o ajudaria, mas também acho que ele não lhe disse e trabalhar metade do trabalho está a piorar o ressentimento.

É difícil para mim dizer com base na minha experiência se é uma boa ideia dizer ao seu manager. Sinto que depende realmente do seu manager, mas bons managers vão apoiá-lo e à sua carreira (vale a pena procurar um bom manager se puder). Pessoalmente, sinto que eles são os melhores para apoiar a sua carreira dentro da empresa. Se realmente precisa desse apoio extra quando está a olhar à sua volta, eu diria para pensar em dizer algo se estiver perto do seu manager.

Espero que isto ajude alguém. Obrigado por todas as suas respostas.

1
0
2017-05-17 17:48:16 +0000

Tenho estado de ambos os lados da questão.

Como empregado: No início dos anos 90 trabalhei para um empreiteiro de defesa. O negócio da defesa estava a encolher. Conhecia o meu patrão há seis anos nessa altura, e ele garantiu-me que, enquanto ele estivesse empregado, eu também estaria. Em vez de fazer a abertura fraca a que se refere, o meu chefe sugeriu mais:

  • Ele disse que eu talvez não enjoy o trabalho para os próximos anos. Ele disse que se quisesse dar uma vista de olhos, o próximo ano poderia ser uma boa altura para pesquisar.

  • Ele acrescentou que apoiaria a minha pesquisa assegurando que eu poderia ir a conferências, apresentar documentos e elevar o meu perfil - sempre algo preocupante para aqueles de nós na indústria da defesa na altura.

  • Funcionou. Encontrei um emprego numa grande empresa do Vale do Silício, e segui em frente alegremente e em boas condições. O meu chefe tinha a vantagem de saber que eu era uma das pessoas que estava disposta a sair e isso poupou-lhe uma decisão de despedimento.

Há muito que sinto que os supervisores que dizem apenas "tenho uma porta aberta", ou "Podes falar comigo sobre qualquer coisa", estão a ir pelo caminho mais fácil e baixo --- não requer nada deles excepto dizer algumas palavras. Algo de concreto deve ser oferecido antes de aceitares a oferta e te meteres no suicídio da tua carreira.

Como gerente: O tempo passou, e eu dei por mim do outro lado. Incentivei todos os que trabalharam para mim (engenheiros e mais tarde outros gestores) a dizerem-me se estavam a conseguir o que precisavam do seu emprego. Andei por aí e perguntei, e perguntei muito mais vezes do que o ciclo de revisão, ou o mensal / trimestral / anual 1-on-1.

A minha sensação como gestor é que a coisa mais difícil de lidar é a indisponibilidade repentina. Tive um funcionário que morreu de ataque cardíaco aos 39 anos. Tive outros que desistiram sem qualquer aviso. Qualquer informação é bem-vinda a um gerente sério, mesmo quando se trata de um e-mail que diz "Preciso de um dia de folga" em vez de ligar a dizer que está doente às 8:30 da manhã sem qualquer explicação. (Nota: Eu do percebo que as pessoas ficam doentes de repente.)

Geralmente: Descobri que as pessoas ou são essencialmente honestas ou são essencialmente desonestas. Se você tem uma boa razão para acreditar que o seu gerente está na primeira categoria, então ambos podem beneficiar com o facto de serem consistentemente honestos, também. Caso contrário, sejam cautelosos.

0
0
2017-05-13 14:58:29 +0000

Há aqui muitas respostas boas, vou acrescentar que quando dizes "sim", o teu progresso nessa empresa acaba.

Porque te promoveriam ou te mandariam para a formação? Vai-se simplesmente embora. Provavelmente passarias algum tempo a documentar as tuas responsabilidades para que a tua partida não te causasse danos indevidos. E você pensava que o trabalho era aborrecido antes!

É claro que a razão pela qual você vai embora pode mitigar isto. O PO está simplesmente aborrecido. Isso não o vai cortar. Mas eu conhecia um tipo que disse ao chefe que ele estava à procura porque estava em dificuldades financeiras terríveis. Ele tinha sido despedido e desempregado durante alguns anos; aceitou o emprego mal pago porque corria o risco de perder a sua casa. Após alguns anos, disse ao patrão que queria uma adaptação para se aproximar do seu salário de pré-despedimento. Ele era um bom empregado, mas ainda estava completamente amarrado a dinheiro. É compreensível.

0
-2
2017-05-11 04:28:34 +0000

Os tipos simpáticos acabam em último. O "melhor" gerente provavelmente faz o seu pessoal sentir que pode dizer-lhe qualquer coisa que ele possa usar para maximizar o lucro da empresa, enquanto se livra do empregado de confiança como uma embalagem de hambúrguer. O velho ditado é "Todo bom gerente tem um pouco de bastardo dentro dele". Aquele que não costuma durar muito. Ser um gerente sensível aos empregados é o beijo da morte na sua maior parte. O dono colocou-o numa função de gestão para fazer dinheiro ao dono, não para fazer os empregados felizes. Um dos fardos dos bons rapazes é a honestidade, eles odeiam não ser prestáveis porque gostam de pensar em si próprios como confiáveis e de confiança e com quem os outros podem contar. É uma boa ideologia a manter com os amigos, mas o seu patrão, presumo, era seu patrão antes de se tornar um conhecido amigável. Isso significa que primeiro tem uma relação de negócios e, portanto, não lhe deve uma janela para a sua alma. [...] O contrato de trabalho provavelmente não era para um termo "até que a morte nos separe".

Os gestores são gestores porque os proprietários prometem-lhes mais coisas em troca de lealdade. [...] Há empresas que tratam os seus empregados mais como amigos, mas normalmente gozam de alguma vantagem particular que lhes permite relaxar a sua paranóia, como ter muito dinheiro para queimar. A maioria não o faz.

Portanto, a resposta empresarial honesta é: eu não seria honesto se dissesse que não presto atenção ao mercado de trabalho ocasionalmente. Penso que todos acompanham o mercado se quiserem sobreviver. [...] Isso não significa que eu possa não ser tentado por uma oferta particularmente atraente se alguém se apresentar, mas eu avisar-vos-ia se surgisse algo do género e pensei que poderia ser uma possibilidade real. Sei que precisa de tempo para comprar substitutos, por isso, gostaria certamente de lhe estender essa cortesia, uma vez que tem sido tão justo comigo. [...] No entanto, se as coisas mudarem, não me esquecerei de lhe dizer.

Também gosto da sugestão do Sebastien DErrico se a relação for suficientemente próxima para a tornar viável. A parte mais difícil é descobrir o que pensam de si. [...] É como sugerir à sua mulher que o aconselhamento pode ser benéfico para ambos quando o casamento não está a funcionar, quando tudo o que ela realmente quer fazer é lixar o carteiro e mandar-lhe fazer as malas. Pode projectar a sua civilidade neles e assumir que são tão simpáticos e carinhosos como você, mas se não o são, e a maioria dos que estão numa posição superior não o são, então pode ficar surpreendido com uma rescisão se sugerir uma abordagem de todos os vencedores à sua partida. Por outro lado, penso que isso seria ideal se fosse viável, porque deixa as pontes intactas.

-2