Local de trabalho
2014-01-16 02:05:28 +0000 2014-01-16 02:05:28 +0000
333

Qual é uma forma "amigável" de fazer saber aos gestores que ter bons criadores é um privilégio?

Eu trabalho para uma pequena empresa, onde recentemente tivemos uma mudança de gestores. O novo gestor não tem experiência na gestão de promotores, e o antigo gestor passou a desempenhar uma função de desenvolvimento para preencher as lacunas deixadas pelos promotores seniores que deixam a empresa e não conseguem encontrar substitutos.

Fui recentemente afastado, porque tenho tendência para estar no escritório apenas 6-7 horas, ou sair para fazer recados a meio do dia, quando o meu trabalho não requer colaboração com outros promotores e eu não estou atrasado. Foi-me pedido que estivesse presente no escritório durante 8 horas, sem outra razão que não fosse o facto de a minha ausência poder fazer com que os outros funcionários pensassem que podem sair por algum tempo ou trabalhar dias mais curtos.

Creio que ele também afastou outro programador sénior e disse-lhes a mesma coisa, o que me incomoda, porque este programador é menos compreensivo e não creio que a empresa possa continuar se ele sair.

A realidade é que qualquer um dos nossos programadores sénior pode sair pela porta fora e ter um novo emprego com um salário até 30-40% mais elevado no espaço de uma semana. A maioria de nós está aqui apenas para o ambiente casual, e sendo capaz de misturar tempo pessoal nos nossos dias de trabalho.

Como posso dizer a este gestor que não está em posição de ter expectativas em relação a nós, para além de que produzimos software de qualidade de acordo com o horário? Estou a ter dificuldade em perceber como posso transmitir isto sem ser um idiota, nem ser ameaçador.

Respostas [19]

388
2014-01-16 04:45:05 +0000

A função do seu gerente é geri-lo. Você quer dizer ao seu gerente que você vai embora se ele tentar. Isto vai ser uma discussão contraditória, aconteça o que acontecer. Se quer fazer passar a questão sem lhe dar um ultimato, primeiro tem de compreender o seu raciocínio e depois tem de explicar suavemente o seu. O que quer que ele diga, respeite a sua autoridade como gestor e termine a conversa em boas condições.

Compreenda o seu raciocínio

"Tente ver as coisas honestamente do ponto de vista da outra pessoa"

  • Dale Carnegie, How to Win Friends and Influence People

Sugere que este novo gestor só está a falar do dia de oito horas porque ele nunca trabalhou com programadores antes. Tem a certeza? O antigo gerente poderia ter sido removido porque ele não fez cumprir as regras. Talvez a gerência superior tenha reparado que as pessoas estavam constantemente fora do escritório e tenha pedido ao novo gerente para melhorar a situação. Talvez ele esteja preocupado com a falta de pessoal porque outros promotores estão de saída.

Cada um destes é um problema muito diferente do seu ponto de vista e requer diferentes finalidades para trabalhar ao seu lado. Em vez de entrar e fazer um ultimato, a primeira coisa que deve fazer é perguntar-lhe qual é o seu raciocínio. Por exemplo:

Ei chefe, eu queria dar seguimento a essa conversa que tivemos sobre o horário de trabalho. Desde que entrámos na empresa que temos tido tendência para ter horários de trabalho flexíveis e encorajados a ter um equilíbrio saudável entre trabalho e vida pessoal, desde que o trabalho seja feito a tempo. Uma vez que vamos trabalhar juntos, quero tentar compreender os seus objectivos para me gerir dessa forma. Importa-se de explicar a mudança?

A questão é dizer, "Isto parece um pouco repentino, por isso, como adulto maduro, quero compreendê-lo" em vez de ir para a ofensiva. Isto dá-lhe a oportunidade de pensar, explicar e talvez até chocá-lo por ter uma boa resposta.

Explique gentilmente a sua opinião

"Não critique, condene ou reclame"

  • Dale Carnegie, How to Win Friends and Influence People

Você pode discordar do seu raciocínio. Pode pensar que é estúpido e vai fazer com que todos desistam. E pode. Mas dizer-lhe isso directamente não vai fazer nada a não ser deixá-lo perturbado. Tem de explicar suavemente a sua posição, por exemplo:

Parte da razão pela qual tenho sido tão leal a este trabalho e a esta empresa é a flexibilidade que ela me permite. Compreendo que queira que eu esteja aqui 8 horas por dia porque ________, há alguma forma de encontrar uma forma de satisfazer o que precisa, e ainda me permite alguma flexibilidade quando tenho coisas que preciso de tratar durante o horário de trabalho?

Respeite a sua Autoridade

No final do dia ele é o gerente e encarregado de tomar estas decisões, independentemente de concordar ou não com elas. Respeite isso.

Se ele se comprometer e lhe permitir um pouco de flexibilidade, diga, "Muito obrigado, estou ansioso por trabalhar consigo."

Se ele não se comprometer e lhe disser para trabalhar 8 horas por dia e tirar férias se tiver recados, diga, "Muito obrigado, estou ansioso por trabalhar consigo."

A emissão de um ultimato não o fará mudar de ideias. Se realmente não consegue viver com a decisão dele, comece a entrevistar noutro lugar e emita a sua carta de demissão. Ameaçar demissão não vai tornar a sua vida profissional mais agradável (só vai piorar as coisas), por isso é melhor demitir-se em boas condições. Ao negociar com os seus pés, obterá resultados muito melhores do que dar cabeçadas ao seu gerente.

388
88
2014-01-16 14:47:34 +0000

A realidade é que qualquer um dos nossos promotores seniores pode sair porta fora e ter um novo emprego com um salário até 30-40% mais elevado no prazo de uma semana. A maioria de nós está aqui apenas para o ambiente casual, e sendo capaz de misturar o tempo pessoal nos nossos dias de trabalho.

Como posso dizer a este gestor que não está em posição de ter expectativas em relação a nós, para além de que produzimos software de qualidade de acordo com o horário? Estou a ter dificuldade em perceber como posso transmitir isto sem ser um idiota, ou ser ameaçador.

Ontem tive literalmente uma conversa sobre este assunto com o meu chefe. A minha equipa tem trabalhado cerca de 50+ horas por semana com horas extraordinárias remuneradas, mas eu (como desenvolvedor solitário de uma equipa de não-funcionários) depois do Natal decidi que não quero fazer isto continuamente. Estou efectivamente a aceitar uma redução de 30% do meu salário ao deixar cair essas horas.

Mas estou numa situação muito semelhante, em que estou plenamente consciente de que o meu conjunto de competências me permitiria ganhar mais dinheiro noutro lugar e seria fácil encontrar um emprego se eu escolhesse.

Eis o que fiz:

  1. Não usurpe a autoridade dos seus chefes*. O seu chefe é o seu chefe, gerente e, em última análise, responsável pelo seu sucesso continuado. Assegure-se de que isto fique claro durante a conversa. Você quer que o seu chefe/gerente entenda que ainda respeita a autoridade do seu chefe ou então qualquer conversa como esta vai ser considerada ameaçadora.
  2. *Descubra formas de o fazer "vencer". * Toda a sua perspectiva precisa de mudar de "como é que eu consigo o que quero" para "como é que tanto o meu chefe como eu conseguimos o que eu quero". Isto é importante. Não é você contra o gerente (esta parece ser a sua mentalidade). O seu objectivo não é "ganhar" esta discussão, mas sim encontrar uma base comum mutuamente acordada.
  3. O seu treinador não é o inimigo. Mais uma vez, não se aproxime desta procura para "lutar" ou "ganhar". Isto é importante se você quiser que esta conversa corra bem.

Dito isto, nós cobrimos uma atitude que você tem que ter para que uma conversa como esta tenha sucesso. Agora é preciso ter uma razão e uma justificação para "ganhar".

Eis o que fiz na minha abordagem:

  • ** Fui honesto.** Não creio que trabalhar 50 horas me torne mais produtivo no conjunto do que trabalhar 40. Se estou a trabalhar menos, tenho incentivo para maximizar a minha produtividade, etc. Isto é benéfico para o meu chefe porque, em última análise, a sua responsabilidade é tirar o máximo valor possível de mim. Se isto é 60/hr semanas porque sou preguiçoso ou 40 porque estou disposto a estar hiper concentrado, então isto é benéfico. Especificamente:
  • Não faço tanto quando estou esgotado
  • Perco significativamente o moral quando estou "a contar horas" versus "a fazer coisas"
  • Gosto de ser produtivo e como resultado quero optimizar o meu horário de trabalho
  • Faço trabalho extra facilmente não estando descansado (bugs, código não óptimo/bom, etc.) o que contraria o equilíbrio
  • Não estou a trabalhar principalmente por dinheiro
  • Found ways to communicate the mutual benefit of working less and more quality work*. Tem absolutamente de se fazer isto. Não se pode fazer um ultimato. O seu gestor tem de compreender que existe um benefício mútuo.

Pode querer discutir alguma da cultura da empresa e como o horário flexível lhe permite fazer o seu trabalho mais facilmente porque está relaxado e que a dinâmica da equipa é realmente boa nisto.

Esteja também ciente que o seu novo chefe pode ser novo na cultura que a sua equipa tem. Vai ser difícil para ele se adaptar a isso. Esteja atento a isto e reconheça que eles não têm a experiência da cultura da sua equipa que você tem.


Só um aparte, o seu post does de certa forma leu como "Gosto muito de não poder trabalhar arduamente e ter um trabalho de cakewalk porque o meu chefe sabe que se ele espera trabalho árduo eu vou desistir". Se você tem essa atitude, acho que o post acima não se aplica...

88
38
2014-01-16 02:25:26 +0000

O seu gerente _ é o seu gerente_. A menos que a empresa especificamente não permita que a sua função seja definida em horários fixos, ou não permita que o seu gerente defina horários fixos, ou que tenha um contrato a controlar isto, então o seu gerente tem autoridade para o fazer.

Se não gostar, pode dizer ao seu gerente, mas lembre-se que esta autoridade está muitas vezes reservada aos gerentes, não aos empregados.

Pode adoptar a abordagem de que esta é uma nova política e, estando habituado à política antiga, vai precisar de algum tempo para ajustar o seu horário de não trabalho de modo a cumprir este novo requisito, embora isso corresponda e a sua pergunta pareça querer lutar.

Pode tentar explicar em termos de coisas com que o seu gestor se preocupa, tais como, "Chefe, eu sei que prefere ter horários regulares, mas quando consigo usar o horário flexível, acabo por fazer trabalho extra à noite, depois de chegar a casa. Se nos cingirmos ao horário normal, este benefício para a empresa sairá pela janela e teremos de reavaliar os nossos resultados"

Pode tentar dizer-lhe que o horário flexível foi anunciado como um benefício quando aceitou o emprego, e que este é um benefício importante para si. Gostaria de compreender o seu processo de reobrigação desse benefício.

Pode dizer ao seu patrão, profissionalmente, que a supressão do benefício do horário flexível provoca uma redução equivalente na sua compensação, e que sente que lhe é devido um aumento da compensação de alguma outra forma se ele optar por não lhe proporcionar essa compensação em particular. Mas tenha cuidado com isto, pois pode ser considerado muito conflituoso se não for tratado com muito cuidado.

Se realmente não gostar, pode tentar falar com o RH, se tiver um departamento de RH, ou pode sempre encontrar um novo emprego.

38
36
2014-01-16 12:18:02 +0000

A maioria de nós está aqui apenas para o ambiente casual, sendo capaz de misturar tempo pessoal com os nossos dias de trabalho.

Comece por lhe dizer que, preferindo-o com "Ei chefe, tenho uma verdade difícil de partilhar. Eu acredito que...". Estará a fazer-lhe um favor - uma visão como essa é fundamental para que o seu gerente faça o seu trabalho de forma eficaz. Se ele for talhado para o seu novo papel, ficará genuinamente grato por o teres mencionado com ele.

Dito isto, vejo algumas bandeiras vermelhas:

  1. O novo gestor não tem experiência na gestão de promotores
  2. A frequência é a métrica mais preguiçosa (e menos útil) para um gestor se concentrar no
  3. Motivo pelo qual devs trabalhar na sua empresa (essencialmente porque não têm de trabalhar um dia inteiro)
  4. A expressão #3 (porque está a "ficar aqui", em vez de "gostar de trabalhar" aqui)
  5. Implicações da #4, combinadas com o facto de ser uma empresa pequena

Se não se importa que eu seja sincero, provavelmente deve a si próprio encontrar um novo emprego. Pode nem sempre ser fácil para si, ou para nós, programadores de software em geral. Temos a sorte de trabalhar num campo quente; não desperdice a oportunidade apenas para poder trabalhar a tempo parcial enquanto recebe salário a tempo inteiro. Confie em mim, não vai valer a pena a longo prazo (a menos que esteja a fazer mais do que fazer recados durante o seu tempo livre).

Mas essa é apenas a minha opinião (baseada em mais de 10 anos de trabalho em tecnologia), sinta-se à vontade para pegar ou largar.

36
17
2014-01-16 09:11:32 +0000

Deixei recentemente o meu emprego depois de ter conseguido uma posição noutra empresa e gostaria de partilhar a minha opinião sobre esta situação.

Se a administração não souber dos preços actuais do mercado para a sua posição, é só dizer-lhes de forma muito discreta e privada, sendo o mais franca possível. Diga-lhes como é importante manter o sistema vivo e quanto depende dos actuais programadores, dê-lhes um layout de quão crítico é cada programador e quanto formação e conhecimento é necessário para recarregar essa posição. Depois dê-lhes tempo para se adaptarem (uma semana no máximo), pois terão de verificar duas vezes esta informação.

Nesta altura, devem telefonar-lhe a si e aos seus colegas com novas opções de pagamento ou melhores condições de trabalho. Se não o fizerem, provavelmente não se importam que não tenham avaliado o mercado de desenvolvimento (o que significa apenas que são irresponsáveis), estão falidos ou não se importam que o sistema funcione e tenha uma estratégia de saída.

Edit:

Gostaria de acrescentar que desde que não hate esta empresa, tente ficar até que os seus desejos sejam satisfeitos. A gerência pode tentar mantê-lo satisfeito com uma mudança de posição que não lhe custará nada, ou uma mudança simbólica de privilégios ou salários. Seja persistente para ultrapassar esta etapa de gestão, recuse as ofertas se elas não o satisfizerem, dê-lhes o maior número de oportunidades possível. São apenas negócios. Não deites fora tudo o que fizeste lá dentro.

17
14
2014-01-16 15:55:29 +0000

Considero útil pensar na minha relação com o meu empregador como uma relação de negócios. Estou a prestar um serviço e a receber benefícios. Eles estão a prestar prestações e a receber um serviço. Se, a qualquer momento, eu acreditar que a relação é desequilibrada, posso procurar ajustar a relação ou encontrar uma nova posição com uma relação mais adequada.

Isto significa que sou responsável por decidir qual o caminho a seguir. Se eu gostar do meu actual empregador, e eles decidirem forçar-me a um horário fixo, eu digo-lhes que tem de haver algo do seu lado na relação para o compensar. Se eu não puder aceitar os novos requisitos, digo-lhes que isso é inaceitável. Cabe-lhes então decidir se vale a pena forçar a relação comercial, ou ajustar os seus negócios às minhas exigências.

Se não conseguirmos resolver o conflito, acabamos com a relação. Não é porque nenhuma das partes é má, é apenas porque as coisas mudaram o suficiente de um lado ou do outro que já não nos adaptamos bem um ao outro.

No seu caso, a gestão mudou, e estão a dar-lhe um novo horário. Eles apresentaram razões - se essas razões são válidas ou não, não importa da sua perspectiva. Até agora tem sido capaz de continuar a trabalhar com eles porque eles lhe proporcionaram flexibilidade, mas agora eles tiraram-lhe isso e não o substituíram por outra coisa que faça valer a pena manter esta relação viva.

Pode negociar com eles, e/ou procurar um empregador que se adapte melhor às suas necessidades.

14
12
2014-01-16 09:51:09 +0000

Sinto e tenho expressado noutras ocasiões que os promotores devem ser medidos pela sua qualidade de trabalho e produção e não pelo tempo que dedicam ao trabalho. Penso que esta é uma forma antiga de lidar com posições de secretária que se arrastou para o desenvolvimento.

Eu convocaria uma reunião com este novo gestor e perguntaria se ele acha que a qualidade e/ou volume do vosso trabalho poderia ser melhorado. Se for este o caso, então é possível que precisem de dedicar mais tempo. Se este não for o caso, então eu perguntaria porque é que ele quereria que você se sentasse à sua secretária por uma hora extra se ele está a receber o que precisa de si no tempo que já está a dedicar e o que ele espera desta hora extra.

Se tem 8 horas-homem de trabalho para fazer e terminá-lo em 7, porque é que as pessoas que só o podem terminar em 9 têm razões para querer sair do trabalho mais cedo porque você o faz? Você (como muitos programadores) precisa de um ambiente relaxado para trabalhar e forçá-lo a ficar quando está adiantado não é relaxante. Diga-lhe que aceita um salário inferior à média na sua posição actual porque gosta da liberdade que tem nesta função, que torna o seu ambiente de trabalho agradável e que colocar-lhe restrições desnecessárias está a retirar-lhe a própria razão pela qual gosta desta empresa.

12
11
2014-01-16 12:04:02 +0000

Ninguém é indispensável. Uma verdade desconfortável, mas algo que se pode considerar quando se olha para o novo regime ou não.

O novo gestor pode não ser experiente nos modos de desenvolvimento, mas se for um bom gestor, então ele aprenderá. Se ele aprender então todos irão beneficiar.

Ele está a fazer 1-1 chats para ver como está a correr? Esta é uma prática comum em ambientes de desenvolvimento de software e é um sinal (pelo menos a tentativa) de seguir uma boa governação.

"Ter uma pequena conversa" pode ser um sinal de práticas questionáveis de gestão de desempenho que estão a ser introduzidas, não se pode fazer um julgamento sem provas. Talvez fale com o seu colega sobre o que foi/não foi dito.

Quanto à mudança de funções do seu anterior gestor para o desenvolvimento, o que disse ele sobre o assunto?

Em suma, a melhor abordagem é ser não conflituoso, recolher as suas informações e depois tomar uma decisão. Em última análise, precisa de estar num ambiente de trabalho confortável, onde a empresa o aprecie e sinta que está a fazer a coisa certa.

11
6
2014-01-16 10:48:05 +0000

Ainda sou estudante, mas enfrentei um problema semelhante num estágio anterior.

O meu percurso foi evitar ameaças (na medida do possível) e simplesmente ir com "Estas são as minhas exigências de trabalho, que me envolvem desenvolver x e y no horário z. Tanto quanto sei, estou de facto significativamente à frente de todos os meus prazos. Não sei bem porque é que é um problema para mim fazer recados durante o meu dia se eu cumprir todos os meus requisitos e não incomodar ninguém"

A resposta que obtive foi essencialmente "resmungar... necessidade de trabalhar x horas... resmungar... não posso ter pessoas a descuidar-se", altura em que perguntei como estava a descuidar-me. A conversa terminou ali, sem mais queixas do seu fim.

Se o seu gerente é "apenas" um gerente (o que significa que não tem experiência prévia de desenvolvimento) há uma boa hipótese de ainda estar a trabalhar na velha ideia de "colocar nas horas necessárias". Vale a pena salientar que está a cumprir todos os requisitos.

No que diz respeito ao outro programador que mencionou, assinalando a importância do trabalho dessa pessoa pode tornar o gestor mais sensível a ela. Infelizmente, acho que não há uma forma "simpática" de lhe dizer que está a ser um idiota...

Por outro lado, isto não me parece ser o mais maravilhoso dos trabalhos, por isso, talvez valha a pena dar uma vista de olhos, de qualquer forma...

6
5
2014-01-16 13:35:13 +0000

Obtenha uma cópia de Tom DeMarco 's Peopleware e coloque-lhe um marcador na página de Gestão Teórica Espanhola (STM). STM refere-se ao conceito de mineiros como um recurso a forma como os espanhóis tentaram enriquecer extraindo ouro na América do Sul em vez de lhes permitir autonomia para inovar (os britânicos inovaram durante a mesma época e foi muito mais bem sucedido) e DeMarco é bastante condenado no seu livro.

Talvez deixar o livro deitado em algum lugar a visão dos chefes, para que ele o pegue (acidentalmente) e tenha uma leitura e entenda a diferença entre um "trabalhador do conhecimento" e um "ocupante de lugares". Já tive patrões da "teoria espanhola" e como desenvolvedor é a última coisa que se quer, a menos que talvez o dinheiro seja bom o suficiente para o tolerar.

Se ele ler tudo isto deve ser bom e bom. Se ele não o fizer, talvez deixe uma página do browser aberta com as taxas do empreiteiro visíveis para que ele possa iniciar uma conversa consigo a partir de uma posição menos autocrática.

Este tipo é novo e provavelmente sente-se inseguro - por isso seja amigo dele, traga-o para aquilo que faz explicando e envolvendo-o na estimativa e partilhe o drama com ele. Vai fechar o fosso de comunicação e todos podem voltar a ser produtivos.

5
3
2014-01-16 18:21:58 +0000

OP, esta é uma boa pergunta.

Oito horas por dia é um número arbitrário. Pode ser indicado explicitamente no seu contrato (que, tenho a certeza, o seu empregador irá convenientemente esquecer quando gostaria que você trabalhasse mais do que isso), mas isto continua a ser arbitrário. Oito é apenas um número. Pode ser sete, pode ser nove.

Tome, como exemplo, a recomendação, comummente aceite, de que deve beber oito copos de água por dia. Acontece que isto se baseia no consumo de água recomendado para um homem de 35 anos de idade com 250 libras. Os oito copos de água baseiam-se em certificar pressupostos que podem ou não ser verdadeiros no seu caso.

Penso que há aqui duas questões - é razoável trabalhar uma quantidade flexível de horas, ou pedir outras disposições especiais que possam não ser consideradas normais, e é razoável esperar que o seu gestor compreenda e coopere.

A resposta a estas perguntas é yes* e no* , respectivamente.

Tenho de trabalhar oito horas?

Não, claro que não. Como foi dito acima, este é apenas um número arbitrário. É baseado em suposições sobre quanto tempo uma pessoa pode ser produtiva, e quanto tempo uma pessoa precisa para a sua vida pessoal, isso pode não ser necessariamente verdade para si.

Você é provavelmente a única pessoa que sabe ao certo quantas horas deve trabalhar. Pessoalmente, eu não sou muito produtivo depois de seis ou mais horas de trabalho. Quando alguém me diz que devo ser produtivo durante oito horas, pergunto-lhes ** Onde é que arranjou esse número e que suposições está a fazer?**

Os directores executivos e outros executivos são notórios por saírem às três, ou por estabelecerem as suas próprias horas. Isto não se deve ao facto de serem preguiçosos - a maioria dos CEO's trabalham arduamente. No entanto, como não têm ninguém a quem responder, gerem o seu dia com base nas suas necessidades, versus uma referência grosseira, destinada a aplicar-se a todos.

Será razoável presumir que existe uma forma de convencer o meu chefe a ver as coisas desta forma?

Não é certamente uma suposição razoável a fazer. O seu chefe é um ser humano, pelo que é completamente impossível saber, com certeza, como irá reagir a algo ou como o fará comportar-se de uma determinada forma.

Tipicamente, a razão pela qual um chefe irá operar sob um sistema de horas baseado em quotas, é porque estão confusos e assustados. Existindo constantemente num estado de incerteza quanto à segurança do seu emprego (porque não são muito bons gestores, aqueles que assumem que todos os empregados exigem a mesma coisa) tentam exercer o máximo de controlo possível sobre a situação.

As pessoas que estão confusas e assustadas não são razoáveis. Se oferecer a uma pessoa que foge de uma debandada de gado $500, ela provavelmente correrá por si. Isto porque tal estado de espírito nos torna muito resistentes a entradas externas.

O que devo fazer?

Na minha opinião, não deve fazer algo que acha que não faz sentido, mesmo que o seu chefe lhe mande.

É importante avaliar de forma independente tudo o que lhe é pedido, e certificar-se de que faz sentido, antes de o fazer.

Digo isto porque fazê-lo constrói o pensamento crítico, e a independência. Quando se faz algo que se pensa não fazer sentido, apenas para apaziguar um gestor, constrói-se a co-dependência e a complacência.

No fim de contas, se passarmos anos da nossa vida a agir de forma complacente, tornar-nos-emos complacentes. E é a sua vida, portanto depende de si.

Se o seu patrão não for razoável, deve desistir. Imediatamente. Como eles dizem, "a pessoa que perdeu o emprego por uma razão idiota, encontra sempre um melhor depressa".

3
3
2017-03-23 10:30:41 +0000

Infelizmente está agora a experimentar a colisão da diferença de mentalidade entre os trabalhadores de escritório e os programadores de software. Aqui estão os factos sobre os ambientes de escritório que deve aceitar o mais rapidamente possível:

  • O seu gestor não consegue compreender o seu valor técnico. Ele não tem as competências ou a experiência técnica para compreender a sua diferença em relação aos outros programadores. Pode pensar que é valioso porque está a resolver problemas técnicos enormes mais depressa e melhor do que ninguém, mas na verdade não lhe faz diferença. Se você sair, ele vai contratar "outro desenvolvedor". O novo promotor pode reportar os problemas que resolveu como "insolúveis", mas se o seu relatório for sólido, o seu gestor não terá problemas com isso. Ele pode cometer erros que custam à empresa toneladas de dinheiro, mas como o seu gestor não consegue perceber isso, não é um problema. Se ele/ela se sentar na sua secretária durante 8 horas, fará o seu gestor mais feliz do que você.

  • O seu gestor tem a sua responsabilidade sobre os seus gestores. Se não aparecer a horas ou se sair do escritório ao meio-dia, o seu gerente perguntará sobre isso, e ele terá dificuldade em responder. Isto irá dirigir-se a si imediatamente.

  • As pessoas são normalmente ciumentas e ressentidas por natureza. Assim, se você fizer menos horas do que os seus colegas, eles vão ficar zangados por dentro, por melhor que seja o seu conjunto de habilidades, ou você já tem um desempenho superior a eles e mesmo você não tem nenhuma tarefa atribuída e você estará bebendo chá e fazendo navegação na internet pelo resto do dia. E o seu gerente tem que manter o escritório estável, mesmo que ele concorde com você. Só não leve a peito.

  • O seu acordo com o seu empregador diz que tem de estar no trabalho durante 8 horas, ou então não será pago. Penso que é uma boa razão para além de tudo acima.

Estes são os factos dos quais não pode escapar. Ao estar em ambientes semelhantes durante 10 anos, aqui estão as soluções que eu poderia encontrar:

  • Trabalhar mais devagar. Se você realizar todas as suas tarefas e beber chá durante o resto do dia, você será "O cara que bebe chá metade do dia". Se você luta o dia inteiro e mal cumpre uma tarefa, você será "Um trabalhador duro que mantém o seu desempenho até o último minuto".

  • Você pode pedir para trabalhar em casa, uma ou duas vezes por semana. Se eles não virem que não está a fazer nada, ficarão felizes desde que complete as suas tarefas.

  • Se nenhum deles trabalhar, existem empresas de tecnologia "céu seguro" que não perguntam onde está, se faz bem o seu trabalho. (Coincidentemente, são normalmente as melhores empresas do mundo) Pode considerar mudar para uma delas.

3
3
2014-01-18 03:26:38 +0000

Não confrontar. Explique o seu ponto de vista na linguagem de gestão - como melhora a produtividade, em vez de benefícios pessoais egoístas.

O dia de trabalho de 8 horas é baseado em linhas de montagem e tarefas heurísticas. Como engenheiro de software, você precisa de muitas breves descansos e focos de atenção. É inteiramente possível trabalhar 8 horas por dia e não realizar nada.

Depois de alguma experiência e muita pesquisa (cerca de um ano de acompanhamento de tudo o que faço), descubro que a quantidade ideal de trabalho para um programador de software é de maximum 200-300 minutos por dia. Isto é minutos. Não se reduz a 3-5 horas por dia. Isto é mais frequentemente 4-5 horas, dependendo do nível de disciplina.

Pode encontrar o seu próprio óptimo com base na sua pesquisa pessoal, mas essas são as minhas descobertas pessoais.

Depois disto, escrevo um relatório baseado naquilo em que todos esses minutos são gastos. Por exemplo, 200 horas gastas a corrigir um erro da câmara, 50 minutos gastos em cache, 75 minutos gastos em refactoring e comentários.

Oferece-se para fazer o mesmo pelo seu gestor. Os colaboradores terão todo o gosto em trabalhar 200 minutos/dia. Os gestores estão satisfeitos, porque lhes dá uma sensação de controlo se todos escreverem um relatório sobre tudo. Os gestores odeiam quando se passa três horas a programar... um ícone a piscar e exigem saber porque demorou tanto tempo.

O efeito secundário é que é também uma forma táctil de explicar que as reuniões são uma perda de tempo. Será também útil para prever o tempo necessário para realizar algumas tarefas... por isso, se o programador A fizer uma análise de interface em 200 minutos e o programador B em 350 minutos, a administração sabe que o tempo necessário para fazer o mesmo no futuro é entre 200-350 minutos. E se ultrapassar esse tempo, podem dizer o que está a correr mal.

O tempo em excesso é melhor usado para relaxar, porque o relaxamento ajuda a ser mais produtivo no futuro e melhora a moral da empresa. Você mesmo admitiu que o elevado moral da empresa significa uma taxa de retenção mais forte e menos dinheiro gasto no pagamento. Deixe-lhe este benefício de moral claro.

Se ele apenas insiste obstinadamente que você trabalhe 8 horas apesar de ser mais produtivo para trabalhar menos horas, então ele não é um bom gerente; ele simplesmente quer controlo e poder. Tudo bem se ele for simplesmente inexperiente e não souber como as coisas funcionam. Todos nós aprendemos no trabalho. Mas se ele se recusa obstinadamente a não aprender, a desistir ou a fazer com que seja substituído. Recusar-se a ouvir as pessoas que ele está a gerir vai fazer cair toda a equipa e toda a empresa.

3
2
2014-07-25 14:23:38 +0000

Ao longo de muitos anos, descobri que as pessoas criativas trabalham melhor com uma trela o mais solta possível. De vez em quando, alguém abusa disso, e é preciso lidar com isso de forma individual. Normalmente, isso significa permitir-lhes que avancem. Certifique-se de que não está nessa categoria.

Talvez o seu supervisor actual tenha sido criado para "apertar" uma cultura que se descontrolou. Se assim é, não lute contra ele, trabalhe com ele. Ajude-o a ser um sucesso e ele vai trabalhar consigo. Considere que ele pode ter sido posto em prática para permitir que alguns delinquentes graves possam seguir em frente.

Se o seu tempo flexível, que é um dos melhores e mais baratos benefícios que um empregador pode oferecer, se tornou um problema, encontre um compromisso. Trabalhe com o seu supervisor e desenvolva um horário com o qual ambos possam viver; marque o seu horário para ir correr, certifique-se que o horário mostra que estará na sua cadeira tanto quanto ele precisar de si.

Era uma vez (há 30 anos atrás), eu também corri a meio do dia. Quando estava a correr, não pensava em passos, pensava em qualquer problema que actualmente me intrigasse. Alguns dos meus melhores momentos "ah-ha" vieram enquanto eu corria ao longo do dique. A mudança de cenário e o ar fresco podem fazer maravilhas. Tenho apenas três promotores assalariados a tempo inteiro, mas pago uma inscrição num ginásio corporativo no melhor local da cidade, só para os tirar das cadeiras.

Acima de tudo, fazer o que for preciso, para evitar confrontos. Esta é uma situação que nunca é uma vitória para ninguém.

Vá trabalhar amanhã determinado a fazer parte da solução. Pareces um forte colaborador, trabalhando numa situação que poderia ser boa. Trabalhar para manter ambos.

2
2
2014-01-17 20:27:39 +0000

A produtividade de uma pessoa pode diminuir após n número de horas, mas ainda assim permanecer acima de 0%. Assumindo que a sua começa a diminuir após seis horas consecutivas, o seu patrão ainda terá mais de 2 horas a 50% do que de 0 horas a 100%.

Somos todos menos produtivos no final de um dia de trabalho. A forma como as pessoas maduras lidam com isto é organizando o dia para colocar artigos que funcionam bem com produtividade esgotada. Posso fazer a maior parte do meu desenvolvimento pela manhã e poupar o material de formação necessário para o fim do dia. Ou posso organizar a minha caixa de entrada. Ou se eu tiver algo que requer mais rotina, coisas simples, eu faço isso.

Um problema com sua pergunta é que você acha que seu chefe está tratando isso como uma transação comercial e você não está - que ele está pagando por 8 horas e ele quer 8 horas, e você só quer que seja sobre a produtividade. Na verdade, está a tratá-lo como uma transacção, tal como ele o está a fazer. Está apenas a usar uma moeda diferente. Está a pagar ao seu chefe com software de qualidade - nós acreditamos na sua palavra sobre a qualidade, por uma questão de argumentação - e quer um dia flexível, de 6-7 horas. Nenhum dos dois é mais ou menos nobre do que o outro neste cenário. O principal problema da sua pergunta, porém, é que toma o seu trabalho como garantido, e parece que o faz porque sobrevaloriza as suas próprias capacidades. O trabalho é trabalho, e no final das contas, fazemo-lo porque alguém precisa de um trabalho feito e nós precisamos de dinheiro para fazer face às despesas. Esse trabalho é trabalho significa que, muitas vezes, envolve o trabalho nas últimas horas do dia a uma produtividade reduzida. Trabalhadores valiosos são aqueles que (como referi anteriormente) encontram formas de equilibrar o declínio da produtividade com tarefas mais fáceis - embora ainda necessárias - mais adequadas à redução da produtividade.

Ter bons empreiteiros é um privilégio, tem razão. Mas onde você está errado é em se rotular com base apenas nas suas competências e na sua produção. Quando eleva os seus desejos a um nível de arrogância e se considera acima de qualquer censura, tem compensado negativamente qualquer capacidade que possa possuir.

2
2
2014-07-25 16:16:37 +0000

Tendo lido as respostas, não vi uma perspectiva de gestores.

Digamos que tenho 5 criadores. Estão a cumprir prazos, sem problemas de maior, etc. Contudo, o tempo total de trabalho por semana para o grupo é de cerca de 160 horas. Nessa situação estou a despedir um deles.

Porquê? Em termos simples, tenho mais capacidade do que tenho trabalho e esse excesso de capacidade é caro. Faz muito mais sentido do ponto de vista financeiro ter apenas os 4, mesmo que lhes pague um pouco mais.

FYI - a minha experiência é de mais de 20 anos em desenvolvimento, 15 dos que gerem outros. Além disso, outros 8 possuem uma empresa.

O gerente está certo. Se você não está frequentemente no escritório e só trabalha cerca de 6 horas por dia, então os outros trabalhadores (especialmente os não-desenvolvedores) provavelmente sentirão ressentimento com o fato. Especialmente se eles tiverem de esperar para falar consigo porque você está fora "a fazer recados" com bastante frequência. Os outros trabalhadores sabem que você é um recurso caro, e alguns provavelmente já estarão ressentidos. Ao não estar no escritório durante o horário normal de expediente está a esfregá-lo na cara deles.

Para uma empresa, ter empreiteiros não é um privilégio; não faço ideia de onde o obteve. Parece que tem um trabalho agradável e confortável, por isso depende de si se o quer estragar.

Acho que a empresa não pode continuar se ele se for embora.

Deve esquecer isso, pois não é apenas errado, mas dá um mau tom. As empresas certamente sobreviveram a departamentos inteiros que se foram embora. É claro que isso põe em risco as coisas, mas há sempre alguém disposto a intervir no ponto em que parou. Eu próprio estive envolvido em várias variações dessa situação: Tive um grupo que me abandonou, despedi um departamento inteiro e fiz parte de um grande grupo que me abandonou porque algumas exigências estúpidas não foram satisfeitas. Em todos os casos a empresa sobreviveu e acabou por ser melhor para ela.

Como posso dizer a este gerente que não está em condições de ter expectativas em relação a nós, para além de que produzimos software de qualidade de acordo com o horário?

Se, como gerente, pensasse que sentia desta forma, mostrar-lhe-ia a porta imediatamente. Essa atitude é tóxica e mostra um total desrespeito pela autoridade e pelos seus colegas de trabalho. Já se encontra numa posição muito confortável, sendo bem pago em comparação com outros e tendo um emprego aparentemente fácil. No mínimo, deve esperar que aja como se quisesse trabalhar lá.

2
1
2014-01-19 12:22:50 +0000

Especificamente ao ponto de educar o seu gestor: Eu não sou cristão e você também não tem de ser para tirar algo da parábola dos trabalhadores da vinha. A menos que o seu local de trabalho reconheça um quadro sindical ou outro de negociação colectiva, tem um acordo independente com cada trabalhador. Os trabalhadores podem ser obrigados a ver isto sem causar ressentimento, e isso é algo normal para o seu gestor lidar. Não é inerentemente seu trabalho seguir o padrão de trabalho da maioria.

Se o empregador tornou-se recentemente completamente inflexível por uma questão de política, então você tem um problema real - eles não querem mais empregados que trabalham como você. Então a sua tentativa de educar o seu gerente pode resultar na educação do seu gerente, o que também é bom. Isto pode ir além do seu novo gerente até ao ponto em que o problema é intratável.

Especificamente ao ponto de recuperar as suas horas: uma série de situações poderia aplicar-se com base no seu BATNA (melhor alternativa a um acordo negociado). Se vai ter o seu tempo de volta, provavelmente uma coisa importante é que você e o seu novo gestor estejam ambos à frente com outros empregados que não estão a sair à socapa, e sair à socapa não é tolerado: você tem autorização para sair por uma razão que talvez não seja da sua conta ou talvez possa ser partilhada. Pode também oferecer-se para ser tão discreto quanto possível se o fizer enquanto alguns dos seus colegas estão muito ocupados. Prometa que não vai anunciar em voz alta às 16h que implementou a história de hoje, verificada no código, e vai vê-los na barra sempre que os seus cérebros inferiores os fizerem por hoje ;-)

De qualquer forma, situações possíveis:

  • Tem legitimidade para continuar as suas práticas existentes, e o seu novo gerente está a pedir trabalho extra sem remuneração. BATNA: você recusa o pedido.

Então o seu gerente pede um grande favor (uma hora ou mais por dia é muito, mesmo que você só o faça quando está dentro do prazo). Tem de comunicar isto e certificar-se de que ele compreende que não há nada para si neste momento. Você pode, se necessário, passar por cima dele se ele não reconhecer os seus direitos, mas a forma amigável de o abordar é persuadi-lo, sem fazer uma ameaça, a não o obrigar a fazê-lo. Tem de trabalhar arduamente agora para não criar um confronto que signifique uma recusa posterior que humilhe o novo gerente. Por isso, certifique-se de que explora e concorda com a situação real antes que alguém diga algo que não possa apoiar.

  • Não tem estatuto legal, mas se vai ter de estar no seu lugar durante 8 horas por dia, então prefere fazê-lo para um empregador diferente, pagando 30% mais. BATNA: você sai.

Então está a negociar que serviços irá prestar ao seu empregador e a que preço. Isto é por vezes incrivelmente fácil e por vezes incrivelmente difícil, tudo depende da rapidez com que um de vocês está pronto para dobrar ou chamar (o que eles esperam que seja) o bluff do outro. Explique que o trabalho flexível é extremamente valioso para si, que o apreciou até à data, que não acredita que tem levado o seu empregador a dar uma volta. Talvez possam ser estabelecidas algumas condições formais quanto ao que é o seu acordo e, em nome da equidade, essas mesmas condições poderiam ser alargadas a outros trabalhadores, sempre que adequado. Se quiser sinalizar que não está a fazer bluff, então uma oferta em mãos de outro empregador é o sinal mais forte que pode ou deve receber. Pelo que diz na pergunta, seria fácil de obter. Sim, isso é uma ameaça, mas depois de ter aberto uma negociação formal em termos honestos uma ameaça não é antipática, é apenas negócio.

Um tiro no escuro, mas parta do princípio de que está actualmente a cumprir o horário quase sempre e, portanto, a trabalhar 5 dias a 6,5 horas por dia (32,5 horas por semana). Isto não se adequa ao seu empregador por razões de horários de trabalho consistentes entre os funcionários. Assumindo que é mentalmente capaz de trabalhar mais dias, talvez ambos possam concordar em trabalhar 8 horas por dia 4 dias por semana, sem qualquer alteração no salário ou uma mudança simbólica. Os seus colegas podem ser deixados livres de assumir que lhe pagam 80% pro rata, se assim o desejarem, para que não tenham inveja: mesmo que as tabelas salariais sejam públicas, presumo que o seu salário seja confidencial. Faça os seus recados no seu dia de folga em vez de o fazer durante o seu dia de trabalho. Concorde que quando os prazos forem cumpridos trabalhará uma semana de 5 dias para o TOIL.

  • Não tem estatuto legal, e prefere este empregador por outras razões que não a flexibilidade do horário de trabalho. BATNA: você aceita o pedido.

Então você está pedindo um grande favor ao seu gerente, e não há nada nele para ele, tanto quanto ele sabe. Precisa de abordar esta questão, fazendo um caso sólido de que o seu trabalho flexível é do interesse do seu empregador. O seu gestor anterior pode ser útil, se o novo gestor o respeitar de todo, porque ele pode explicar porque é que tolerou o que fez antes (ou seja, porque é que é valioso parao negócio para o deixar fazer, em termos de o tornar mais feliz e mais produtivo). Se você não conseguir fazer o seu caso e acabar trabalhando as horas e terminando seus projetos cedo, em vez de sair cedo e terminar seus projetos a tempo, então talvez seu novo gerente does saiba um pouco sobre gerenciamento de desenvolvedores, afinal de contas. Às vezes você é gerenciado; prepare-se mentalmente agora para não guardar rancor.

1
1
2014-01-20 00:34:10 +0000

Eu estava exactamente na mesma situação há cerca de dez anos. Muito difícil de negociar isto - há muito poucos gestores deste tipo, especialmente se forem novos no trabalho, que apreciarão as recomendações "amigáveis" dos seus subalternos sobre como gerir as coisas quando acabam de entrar e tencionam "fazer as coisas à sua maneira". Se não tiver cuidado, poderá ficar sem emprego.

No meu caso, havia alguém "mais acima na cadeia alimentar" que compreendia algo sobre a gestão dos criadores, e eu recorri directamente a eles. Disseram-me que eu podia ignorar o novo gestor em segurança. Se tem essa opção, talvez a experimente.

Still, tenha muito cuidado - certifique-se de que conhece bem o território.

Caso contrário, IMO, se não quiser procurar um novo emprego, a sua melhor aposta é jogar o jogo do novo tipo durante algum tempo - beije-se e seja bom: em seis meses ou um ano, se fizer um bom trabalho, terá estabelecido credibilidade com o novo tipo. Depois as coisas vão-se descontrair e poderás voltar gradualmente ao teu antigo modo de trabalho.

1
-1
2014-01-19 06:17:11 +0000

A coisa mais simpática que se pode dizer é a coisa bruta, honesta e sem tacto. "Bem Bob, a única razão pela qual ainda aqui estou é porque gosto do facto de não ter de trabalhar uma semana de trabalho completa. Vale a pena os 30-40% de salário para mim"

Agora imagine ser você mesmo o novo gerente de alguém e ouvir isso pela primeira vez. Porque é mesmo isso que estás a dizer aqui. Não gostas de lá estar, mas estás a aguentar, porque não faz mal não levares isso a sério.

Quão mal, como gerente, queres mesmo manter esse tipo?

Eu já lá estive, mas não é algo em que se possa tomar uma posição de poder. O que você realmente quer é mudar. Ou um novo emprego ou algumas melhorias no actual. Você terá um gerente mais receptivo se levar o trabalho a sério quando ele lhe pedir e você estará em uma posição mais relaxada para tentar negociar uma vez que você colocar alguns apalpadores para fora e tornar-se confiante que você poderia de fato pegar um novo trabalho relativamente rápido.

Mas realmente, por que, se você é bom o suficiente para encontrar um novo trabalho tão facilmente, você está suportando qualquer que seja a situação? Pessoalmente, preferia ter um dia de 8 horas de mediocridade na programação do que um dia de 6-7 horas de frustração. Parece que é o tempo que já passou para mais desenvolvimentos do que apenas para si próprio encontrar um novo local de trabalho. Mas não faz mal tentar mudar as coisas antes de ir. No mínimo pode ajudar os programadores que têm de contratar para te substituir.

O problema não é que ele não saiba o que é preciso para te manter. É que tu ainda lá estás e ele não vai perceber porque é que, para além da inércia geral da carreira, ele não vai compreender melhor do que eu, onde encontrar um novo emprego já é suficientemente doloroso para que tu prefiras aguentar o que tens.

-1

Questões relacionadas