Local de trabalho
2013-01-09 13:50:39 +0000 2013-01-09 13:50:39 +0000
597

Como devo lidar com um empregado que dormiu com a minha mulher?

Sou proprietário de um negócio com cerca de 30-40 empregados. Recentemente, descobri que um dos meus empregados tem tido um caso com a minha mulher. O empregado trabalha para mim há 4 anos. Senti-me como se fosse o seu mentor, pois recrutei directamente da universidade, ensinei-lhe as cordas e promovi-o a um papel de liderança para um dos nossos principais produtos.

A minha mulher deixou-me desde então. Falei com ele, e ele pede desculpa pelo que aconteceu, mas também não vai embora. Ele diz que a sua relação com a minha mulher não deve ser uma questão de trabalho e que deu demasiado trabalho à empresa para ser despedido só porque eu sou o chefe.

Estou amargo e gostaria que ele deixasse a empresa, mas também sou realista. Ele tem sido uma parte importante da empresa. É o funcionário mais antigo que ainda está por perto, conhece a candidatura de dentro para fora, e embora eu não dissesse que ele é indispensável, ele está perto disso. Ao mesmo tempo, sempre que vejo a cara dele, sinto que isso me mata por dentro.

Como seu superior, o que posso fazer nesta situação? Somos um bando de malha apertada, mas ninguém sabe destas questões pessoais no trabalho. Neste momento, estou a agir da forma mais profissional que posso.

Respostas [19]

445
2013-01-09 14:32:15 +0000

No vosso lugar, eu falaria primeiro com alguém versado em direito do trabalho e veria se as suas acções constituíam uma quebra de confiança. As suas acções afectaram claramente a vossa relação de trabalho a um ponto em que esta é insustentável (e devo dizer que estou impressionado com o vosso nível de profissionalismo até agora - não tenho a certeza se conseguiria fazê-lo!).

Penso que é optimista assumir que a vossa relação de trabalho irá melhorar com o tempo, e acredito que, assumindo que não está a violar a lei, devem tirá-lo de lá o mais depressa possível.

Quando dizes

ele dá demasiado trabalho à empresa para ser despedido só porque eu sou o patrão.

Eu diria que qualquer potencial despedimento não seria "porque tu és o patrão": seria principalmente motivado pela falta de confiança na tua relação (não vejo como podes voltar a confiar nele).

O tom dele parece ser bastante arrogante, e isto pode repercutir-se nas suas práticas de trabalho (que eu investigaria o mais que pudesses). Ser o mais versado da empresa numa determinada área não significa que esteja necessariamente a trabalhar de forma adequada, ou que mais ninguém possa entrar e melhorar o seu desempenho.

445
290
2013-01-09 16:05:59 +0000

O que mais me preocupa é a atitude da declaração "ele deu demasiado trabalho à empresa para ser despedido só porque eu sou o patrão". Esta é uma pessoa que tem acesso a todo o código fonte dos seus sistemas e, como chefe de equipa, é provável que tenha acesso ao servidor de produção. Esta é uma pessoa muito perigosa. Com esta atitude, pode muito bem estar a usar o código para vos roubar ou ter criado uma porta traseira para entrar do exterior ou ter criado algo no código para rebentar com os vossos sistemas se for despedido. Esta não é a atitude normal de uma pessoa que tenha sido apanhada num caso. Como ele sabia que estava a ter um caso e que era provável que pudesse ser despedido se fosse descoberto, eu estaria muito atento a essa pessoa. Ele também poderia estar a fornecer à sua mulher informações que a deixariam ficar com mais bens seus.

A primeira coisa que eu faria seria assegurar-me de que você tem cópias de segurança actualizadas de tudo! E depois certificar-me-ia de que eles estavam fora do local. Este tipo de pessoa é do tipo que provavelmente terá colocado algo no código para o fazer explodir se for despedido. Precisa de proteger os seus dados e as suas aplicações.

A seguir, eu contrataria alguém para tomar o seu lugar. Posso até, dependendo da insegurança dos dados e da aplicação, contratar essa pessoa e fazer com que ela trabalhe com uma cópia da aplicação e dos dados em algum lugar fora do escritório. Depois, a sua primeira tarefa seria avaliar se existe um perigo para o código por parte de algo que essa outra pessoa colocou. Posso até procurar e contratar um perito em segurança como consultor para o fazer.

Agora, depois de ter protegido os meus dados, tomaria uma de duas acções. Se estiver nos EUA e trabalhar num estado "à vontade", eu despedi-lo-ia. Depois mudaria imediatamente todas as senhas para todos os servidores e bases de dados.

Se está noutro lugar ou não tem a certeza de que está num estado em que pode disparar sem causa, eu consultaria imediatamente um advogado do trabalho para saber que acções pode tomar para proteger a sua empresa. Se não for legalmente possível demiti-lo, poderá ser capaz de o recolocar num cargo recém-criado que não tenha funções e retirar-lhe o acesso ao código, bases de dados e servidores. (Se o fizer, altere todas as palavras-passe).

290
156
2013-01-09 14:14:59 +0000

A minha resposta - se a lei onde você está o permitir - é bloquear o tipo de todas as suas contas (e do edifício) e despedi-lo imediatamente. Deixe-o recolher as suas coisas físicas, dê-lhe a indemnização que for necessária e mostre-lhe a porta. A minha lógica é que _ nunca mais poderá confiar nele_. Ele já te traiu pessoalmente, apesar da atenção pessoal que lhe deste e da ligação que sentiste que tinhas. Como sabe que ele não vai trair a sua empresa? É melhor prevenir do que remediar.

Mesmo que ele nunca faça nada de errado dentro do local de trabalho, enquanto ele continuar a trabalhar para si, é possível que acabe por perder o controlo e fazer ou dizer algo impróprio que o exponha a ramificações legais. Assim, mesmo que você acredite que ele nunca faria nada para prejudicar a sua empresa, a sua relação com ele é insustentável. Tire-o daqui o mais rápido e limpo possível. Se não o pode despedir, deixe claro que ele não é bem-vindo e peça-lhe que se demita.

156
62
2013-01-09 22:31:25 +0000

Imagine que tinha dois empregados e um deles dormia com a mulher do outro.

O que faria nessa situação? As acções do tipo, e a perturbação da dinâmica da equipa, não são nada. Mas tens de ser capaz de os compreender no contexto de não seres a parte lesada.

Antes de isto te acontecer, conseguias ver-te livre do tipo que tinha sido lesado se o outro tipo fosse o melhor trabalhador - "para ajudar a dinâmica de equipa"?

Se a) tens a certeza que não o farias, e b) a dinâmica da equipa foi perturbada, então deves falar com um advogado de emprego sobre os próximos passos.

Mas se agisses de forma diferente se não fosses tu, então tens uma resposta diferente.

62
57
2013-01-09 14:18:52 +0000

Responder rigorosamente ao aspecto "negócio": Creio que, de uma forma ou de outra, o empregado deve ir. Estamos num caso em que não podemos ter uma relação de trabalho funcional adequada. Neste caso, há que ir. Devido à dimensão da empresa (pequena/média), uma transferência para outro departamento "distante" de si não é possível, por isso sair é a única opção. Porque o proprietário não pode sair, o empregado deve ir.

Adicionalmente, oferece emprego a um grande número de pessoas e viver com stress extra de uma única pessoa dentro da sua vida profissional pode ter um efeito no resto das pessoas que lá trabalham (se isso causar problemas ao desempenho da empresa). Para benefício do todo contra uma pessoa, creio que ela deve ir.

57
50
2013-01-09 16:01:17 +0000

Ok, alguém precisa de ser uma voz da razão aqui.

Tem toda a razão em não reagir enquanto está zangado. Decisão muito sensata. Mesmo quando tiver tomado todos os conselhos que puder, acalme-se o mais que puder antes de tomar qualquer decisão. É pouco provável que ele faça mal à empresa sem que você reaja com raiva.

O que tem de se lembrar é que ele era um bom funcionário antes e não há razão para ele não poder continuar a ser, nem há incentivo para ele não o ser.

A única questão real aqui é a sua incapacidade de separar o homem do acto.

Dito isto, é totalmente compreensível. A maioria das pessoas não pode fazer isso. Mas será que vale a pena arriscar a sua relação comercial, e na verdade o seu negócio, para além disso? Pense bem nessa pergunta antes de responder.

Mesmo pondo de lado o aspecto legal, vai-lhe custar muito dinheiro substituir alguém que, profissionalmente, não fez nada de errado. O seu mal-estar completamente incompreensível vai diminuir. Mas você trabalhou arduamente para construir esse negócio - e assim, pela sua conta, ele o fez - e, esperemos, vai durar.

Não estou sugerindo que você simplesmente o deixe ir. Por favor, deixe claro que não pode confiar tanto nele como confiou. Reduza a liberdade dele de forma racional para os negócios. E, mais importante ainda, corte os seus laços pessoais com ele. Diga-lhe que não pode lidar directamente com ele neste momento e que não quer certamente vê-lo fora do trabalho.

Mas não faça nada de que se vá arrepender mais tarde.

50
45
2013-01-09 22:42:26 +0000

Outra opção todos juntos:

Já estava a considerar uma estratégia de saída em algum momento? Tem uma empresa com 30-40 empregados, o que não é muito pequeno. Se não é casado com esta empresa para toda a vida, e começou a pensar em seguir em frente, então isto pode ser um pontapé nas calças.

Teve algumas grandes mudanças na sua vida. Fazer uma pausa seria uma oportunidade para recuar, voltar a juntar as peças e restabelecer-se. Também lhe daria a oportunidade de uma pausa com o passado.

Vender pode demorar algum tempo, por isso não seria uma solução instantânea. Mas a sua vida inteira não precisa de se centrar em esta empresa.

45
31
2013-01-10 14:42:32 +0000

O problema com a sua ideia de manter as coisas separadas é que não é o senhor que mistura negócios com pessoais, é ele. E quando é algo tão sério como dormir com a sua mulher, os dois ficam misturados permanentemente. Penso que é tudo o que acrescento à discussão, que é único na minha resposta, mas é um ponto extremamente crítico. Não estás aqui errado por o quereres fora e não deixes que ninguém te diga o contrário.

Agora, é possível que ele esteja cego pelo facto de gostar tanto do seu trabalho e simplesmente não querer sair, mas IMO, o seu comportamento está algures entre a criança no corpo de um homem e o sociopata de fronteira. Nem sequer sentir vergonha suficiente para deixar a empresa quando é descoberto numa situação como esta me sugere alguém que é extremamente egoísta a um nível em que seria completamente impossível confiar nele com qualquer coisa.

Então sim, fale com os advogados. Tenha cuidado com o lado do divórcio/sabotagem das coisas. Cubra-se. Mas tire-o o mais rápido possível do seu escritório. Ele é claramente completamente incapaz de assumir a responsabilidade pelos seus próprios actos e não tem qualquer sentimento de compaixão ou empatia. Vai sofrer um revés, mas isso não é nada comparado com a drenagem psicológica que deve estar a passar só para ver o tipo todos os dias.

E se eu fosse a si, não teria medo de deixar que a equipa soubesse exactamente porquê, sem perigo de calúnia, etc... Não há nada de irracional em querê-lo fora do escritório e estou um pouco chocado que alguém o veja de outra forma. Se todos estão tão unidos como diz, é melhor para a verdade vir ao de cima do que simplesmente atirar um valioso membro da equipa para fora sem explicação. Pode parecer desconfortável deixar toda a gente entrar nos seus negócios, mas lembre-se que nada disto se reflecte mal em si.

31
29
2013-01-09 16:34:37 +0000

Despeça-o e trate da sequência a jusante. A vida é demasiado curta para trabalhar num ambiente insalubre. E desconfio que o senhor acha que merece melhor do que a forma como tem sido tratado recentemente. NOTHING vale a sua saúde e felicidade e tem um longo caminho de recuperação à sua frente. Por isso, comece....

29
21
2013-01-09 14:19:16 +0000

Não sei se alguém lhe pode dar aqui muitos conselhos, lamento que isto lhe tenha acontecido, ao longo do último ano passei por uma separação matrimonial, por isso sei como é difícil para si neste momento.

Falei com ele. Ele pede desculpa pelo que aconteceu, mas também não vai embora. Ele diz que a sua relação com a minha mulher não deve ser uma questão de trabalho e ** ele deu demasiado trabalho à empresa para ser despedido só porque eu sou o patrão**.

É claro que depende de si a forma como lida com as coisas no trabalho, mas precisa de o puxar para cima nisto. Se ele fosse despedido, e eu questionaria o aspecto jurídico disso, ele não seria despedido porque você é o patrão, mas por uma enorme quebra de confiança. O que ele fez é moralmente errado, a OMI, e não pode assumir aqui um papel de relevo. Se a sua mulher o tivesse deixado e ele tivesse iniciado uma relação com ela, seria muito diferente.

O único conselho que posso dar é que as coisas melhoram com o tempo. Eu sei que se eu estivesse no seu lugar teria 101 coisas planeadas para "vingança", manteria uma cabeça fria profissional.

21
15
2013-01-09 21:07:34 +0000

Se tivesse dormido com a mulher dele, seria razoável que ele esperasse que você deixasse a empresa? Se não parece que pode haver um argumento de que se o despedisse poderia ser um abuso da sua posição.

Eu, pessoalmente, faria o meu melhor para manter o negócio e a casa o mais separados possível, mas por outro lado, se tiver de olhar para ele todos os dias, pode tornar-se difícil para si fazer o trabalho.

15
11
2013-01-09 16:21:12 +0000

Lamento ouvir falar disso, mas estas coisas acontecem. Espero que isto ajude, mas recomendo que primeiro se encontre alguém em quem possa confiar para falar sobre o assunto. As minhas sugestões são as seguintes:

  1. Arranje outra pessoa (ou você mesmo) com a aplicação. Ninguém deve ser indispensável
  2. Fale com um advogado e descubra o que pode fazer legalmente
  3. Depois de teres posto alguém a par, avisa-o - com base no que o teu advogado diz - tens de o deixar ir

A tua vida pessoal afecta o teu trabalho, tanto no domínio positivo como no negativo. Embora a confiança possa ou não ser um problema, a paz de espírito é. Tem a tranquilidade de saber que esta pessoa tem acesso aos seus clientes, conhece o seu produto de dentro para fora e tem o melhor controlo do seu negócio? Pense nisso. Só você pode responder.

Espero que isto ajude.

11
11
2013-01-10 04:26:01 +0000

Uma pessoa não pode mudar muito as suas características. Trata-se de uma quebra de confiança que é bastante pessoal.

A maior parte da mente humana não vai seguir as regras corporativas e governamentais quando este tipo de coisas demasiado pessoais acontecem. Seja realista com estas pessoas a enganar-se a si próprio.

O impacto no seu negócio será enorme. E se você estiver chateado com este tipo de pessoas e se isso afectar o seu negócio? Isso é igualmente importante (desde que faça sentido para o seu negócio)

Uma empresa deve ter planos alternativos. Não pode despedir este tipo porque ele é importante. Há duas coisas importantes

  • Tem de procurar os melhores talentos lá fora.
  • Considere que ele não é o último na categoria dos inteligentes. Pode encontrar muito se realmente investir tempo e esforço.

  • Também a sua ética profissional não pode ser contada contra o incidente em questão. A ligação e confiança e é importante para gerir um negócio.

  • E se ele desistir do seu emprego, no qual não tem controlo. Portanto, a minha opinião é que não confie nestas pessoas para gerir o seu negócio. É importante ter pessoas inteligentes por perto, mas não podemos tomar isso como garantido. São seres humanos e livres de se deslocarem, expressarem e mudarem as suas opiniões ao longo do tempo.

11
10
2013-01-10 10:19:33 +0000

Foi a sua mulher que o traiu. Talvez se possa dizer que o empregado o traiu. Mas certamente que o empregado não traiu a empresa. Se ele está a fazer um bom trabalho, despedi-lo é um abuso de poder. Ambas as opções são prejudiciais para a empresa:

  • Despedi-lo é prejudicial porque mostra que está a abusar do poder para despedir alguém por razões não relacionadas com a empresa
  • Não o despedir é prejudicial porque ainda precisa de trabalhar com ele.

Na minha opinião pessoal, a segunda opção continua a ser o menor de dois males, tendo em conta que são os dois entre dezenas de pessoas na empresa. Que tal criar estruturas de forma a não ter de lidar com ele de forma tão directa?

10
8
2013-01-09 15:50:21 +0000

Penso que é realmente uma questão de a) seria legal despedi-lo e b) seria um impacto negativo maior para a empresa tê-lo lá ou não. Essa é realmente uma decisão que só você pode tomar.

Desde que seja legal despedi-lo, eu diria que se separe o mais possível da questão pessoal enquanto tenta avaliar o impacto global da situação. Parte dessa avaliação é analisar de forma significativa como teve impacto na sua relação de trabalho, mas também analisar o que custaria à empresa perdê-lo versus os problemas que os problemas interpessoais poderiam causar. Só você pode realmente ser o juiz dessa equação.

Outro pensamento é que se há alguém em quem você confia na sua empresa que está familiarizado com esse indivíduo, pode valer a pena falar com ele como um terceiro independente sobre o que ele sente o impacto no local de trabalho. Talvez tenham uma melhor perspectiva sobre as questões reais do local de trabalho que estão a ser vistas devido aos problemas pessoais.

Uma última reflexão adicional, a melhor opção pode não ser mantê-lo ou despedi-lo, mas se sentir que ele não fez nada profissionalmente que mereça o seu despedimento, pode pedir-lhe que saia devido aos problemas que o estão a causar, dar-lhe tempo para encontrar uma posição e até possivelmente dar-lhe uma recomendação baseada nos seus méritos profissionais para o ajudar a sair da porta. Se conseguirem fazer dele um objectivo para o qual estão ambos a trabalhar, é provável que isso assegure o melhor resultado para a vossa empresa em geral.

8
6
2013-01-13 20:34:25 +0000

A primeira questão a considerar é a de saber se pode realmente continuar a ser uma questão alheia ao trabalho. Com isto quero dizer, afecta a sua capacidade, ou a do seu empregado, de fazer o seu trabalho, de trabalhar com os seus colegas de trabalho e irá afectar o comportamento dos empregados no trabalho?

A segunda questão a considerar, quais são os resultados prováveis deste caso e a sua ligação com o seu casamento, que se desfazem nas relações no escritório, caso se torne público? A terceira questão a considerar, será que pode continuar a fazer o seu trabalho enquanto trabalha com este indivíduo?


Com base no que disse na pergunta, penso que é bastante provável que a sua capacidade de gerir este funcionário tenha sido subtilmente comprometida. Tem uma resposta emocional a ele, e provavelmente também não confia nele. O facto de ele esperar que isso não tenha qualquer efeito na sua capacidade de trabalhar consigo revela uma falta de compreensão da forma como as pessoas trabalham.

Pode rescindir o seu contrato de trabalho pela sua conduta. O trabalhador agiu de uma forma que é razoável esperar que V. Exa. não se sinta à vontade para continuar a trabalhar com ele, também minou a confiança que nele depositava. Ambos são motivos discutíveis para a rescisão imediata, sem qualquer compensação. O custo aqui é tanto o choque interno na empresa que esta pessoa deixou sem qualquer explicação, a perda de conhecimentos internos, como o risco de tentar reclamar uma indemnização e a distracção sobre o negócio que pode causar.

Pode continuar a empregá-lo, e ver como se desenrola. Estará a funcionar de forma subapropriada, que ao longo do tempo este empregado não será capaz de desempenhar as suas funções correctamente - a sua lealdade será necessariamente dividida entre o seu trabalho e a sua casa, e o custo global da oportunidade perdida em termos da sua concentração e entrega, e este empregado que, por razões pessoais, se retrai na geração de ideias terá um custo significativo para o negócio.

Poderá tentar pagar-lhe para sair. Com base nisso ele acredita que poderia continuar a trabalhar consigo, suspeito que esta seria uma opção dispendiosa. Mas vale a pena descobrir qual seria o custo.


Na sua situação, eu despedi-lo-ia, com um mês de salário e uma referência luminosa. Se ele for a tribunal - e ganhar, consola-te que cada 2 cêntimos que pagares em honorários de advogados é menos um cêntimo do que a tua mulher vai receber no acordo de divórcio.

6
5
2013-01-11 18:04:35 +0000

Esta é uma grande questão e, antes de mais, aplaudo-o por ter sido tão profissional. Tenho a certeza que há muitas pessoas que não o seriam, nem um pouco ilustradas por todos os comentários (e respostas) no sentido de "apenas despedi-lo".

Penso que @NimChimpsky tem um ponto: uma questão que precisa de abordar é que este funcionário em particular está "perto do indispensável". Mas essa é uma questão completamente distinta e que precisa de tratar de uma forma geral, e não apenas no que diz respeito a este funcionário em particular. Por muito que alguém goste de se sentir necessário, ninguém deve ser indispensável. E se alguém assim ficar gravemente doente e estiver fora do escritório durante uma ou duas semanas?

Se fosse eu (o que obviamente não é), provavelmente começaria por lhe dizer para tirar 1-2 semanas de férias. Faça-o pagar férias para além do seu tempo normal de férias, se necessário. A questão não é recompensá-lo de forma alguma, é simplesmente promovê-lo para fora das instalações sem ser demasiado conflituoso e certamente sem fazer algo permanente, como despedi-lo ou arriscar uma quebra de contrato do seu lado. Aproveite esse tempo para respirar bem, consulte um ou dois advogados especializados em direito do trabalho, veja como se sai sem ele no escritório (talvez os outros empregados mereçam mais crédito do que o que está a dar-lhes no que respeita aos seus conhecimentos sobre os seus produtos...) e defina uma estratégia. Depois, quando ele voltar, estará numa situação muito melhor para lidar profissionalmente com as tarefas necessárias e de uma forma juridicamente correcta.

Despedir alguém pelas razões erradas, ou mesmo por aquilo que é entendido como as razões erradas, pode custar-lhe (e/ou à empresa) caro. Certifique-se de que tem todas as suas bases legais muito bem cobertas antes mesmo de pensar em despedir este funcionário, por muito traído que se sinta.

5
0
2015-12-04 21:08:24 +0000

Primeiro, talvez você tenha ou não a razão legal para despedir este empregado sobre a lei estatal.

Mas, sobre a ética comum, _ você tem todo o direito de o despedir_.

Pode haver muitas razões, que podem tornar possível o seu despedimento, se a lei estatal não o permitir para si.

Ele provavelmente também o conhece muito bem. Mas, disse, é o seu primeiro local de trabalho, por isso provavelmente não consegue imaginar a sua primeira mudança. Ele precisa de um pouco de "apoio" para tomar esta decisão, é isto que lhe deve dar.

Você pode ter qualquer "raciocínio": a empresa já não tem dinheiro para o seu projecto, alguém precisa de ser despedido por causa do estado financeiro da sua empresa, etc. E, claro: embora esteja muito satisfeito com o seu trabalho, infelizmente vê que o seu papel/competências são incompatíveis com o seu modelo de negócio. Ou qualquer outro semelhante.

Faça isto surpreendentemente, sem qualquer prenúncio! Por exemplo, uma vez vi uma empresa, onde o chefe despediu um grupo de promotores da seguinte forma:

  1. Ele chamou-os para uma reunião no seu escritório.
  2. Enquanto eles iam ter com ele, ele chamou o administrador do sistema e pediu para desactivar todos os seus acessos à rede da empresa.
  3. No escritório ele esperou-os com a sua carta de encerramento.

Isto é o que deve estender-se através de uma cópia de segurança feita secretamente de toda a sua rede, antes do despedimento. Será útil se já existir uma backdoor no seu sistema, neste backup terá pelo menos a oportunidade de a encontrar.


Não pode evitar todos os riscos. A decisão é sua, se a aceitar, ou se tentar dar-lhes mais tempo. No seu lugar, eu não daria: se um empregado pode fazer-lhe isto, simplesmente não o pode deixar entrar no seu lugar.

0
-2
2013-01-09 16:28:17 +0000

Estar numa empresa durante muito tempo não prova nada, se merece ser despedido por desempenho então assim é.

No entanto, acredito que se deve olhar para o quadro geral e ver quanto se investiu nessas relações. Vale a pena o que se está a fazer passar?

Devia estar contente por ter visto as suas verdadeiras identidades! Aceite a realidade pelo que é, esqueça o passado, siga em frente e aproveite a vida pelo que é :) !

-2

Questões relacionadas